fbpx

Pabllo Vittar – A Drag Queen em ascensão na indústria musical

por Brenda Borges
Publicado: Última atualização em

Nascido em São Luís e criado em cidades do interior do Maranhão e do Pará, Pabllo Vittar teve seu gosto pela música influenciado pela mãe.

Desde jovem, mostrou seu interesse pela música e no cantar fazendo até parte do coral, passou a se interessar pela arte das drag queens em sua adolescência, e ali, encontrou o quê gostaria de ser.

Suas primeiras apresentações profissionais aconteceram numa casa noturna de Uberlândia, Minas Gerais, e ele ganhou atenção na internet após o lançamento da canção “Open Bar”, em outubro de 2015.

Uma infância marcada pelo bullying

Phabullo Rodrigues da Silva mais conhecido pelo nome artístico de Pabllo Vittar, é filho da técnica de enfermagem Verônica Rodrigues, e nunca chegou a conhecer seu pai biológico pois o mesmo o abandou quando sua mãe ainda estava grávida.

Irmão caçula de Pollyana Rodrigues e gêmeo de Phamella Rodruiges, passou parte de sua infância vivendo em cidades do interior do Maranhão, e frequentando aulas de balé clássico e jazz.

Em entrevistas Pabllo Vittar relembra seus tempos de escola e conta que sofreu muito bullying de colegas durante seus anos escolares, em razão de sua voz aguda e gestos delicados.

No início de sua adolescência, Pabllo começou a cantar em festas e junto ao coral de um igreja na qual sua família frequentava, além de se apresentar no programa regional Pop, onde fazia covers de diversos artistas.

Mudança de Pabllo para SP e “saída do armário”

Com apenas 16 anos, Pabllo Vittar mudou-se para São Paulo para tentar iniciar sua carreira artística, porém não obteve muito sucesso e acabou tendo que trabalhar em salões de beleza, como atendente de telemarketing e em redes de fast foods.

Foi nessa mesma época que o artista resolveu se assumir gay para sua mãe, segundo relato em entrevista à Marie Claire; “nem surpresa ela ficou. Sempre me apoiou – aliás, a família inteira, minhas irmãs também”.

Após se mudar para Minas Gerais, Vittar foi aprovado no curso de Design de Interiores na Universidade Federal de Uberlândia, mas acabou trancando o curso em consequência ao aumento de shows em sua agenda.

Primeiro contato com a cultura drag queen

Em 2011, passou a postar seus covers em seu canal pessoal do Youtube. Pabllo sempre se encantou com o “universo feminino” e passou a se interessar pela arte do mundo drag queen quando foi apresentado ao reality show americano RuPaul’s Drag Race por um namorado.

Vittar se montou pela primeira vez aos 17 anos, para a divulgação da festa de uma amiga, entregando panfletos na porta de uma boate em Uberlândia; “[…] fui na farmácia, comprei um lápis, um batom e umas extensões tão baratas que acabaram virando um dread só”.

Pabllo Vittar aprendeu a se maquiar assistindo tutoriais no Youtube e participou de vários concursos de beleza antes de começar sua carreira musical. Acostumado a cantar nas festas das quais participava na Universidade de Uberlândia, começou a se apresentar oficialmente como drag queen e cantor na casa noturna Belgrano.

Pabllo Vittar lança seu primeiro hit

Por meio de contato e conversas nas rede sociais com o integrante do grupo Bonde do Rolê, Pedro D’Eyrot, que apresentou os vídeos de Pabllo Vittar ao produtor Rodrigo Gorky, também integrante do grupo.

Em uma visita a boate Belgrano, Gorky pediu aos produtores Ian Hayashi e Leocádio Rezende que apresentassem Vittar para si. Rodrigo então sugeriu que Pabllo gravasse a releitura da música “Lean On”, do grupo Major Lazer, que foi intitulada “Open Bar” e lançada no final de 2015.

Pabllo Vittar durante as gravações de seu clipe Open Bar.

Pabllo Vittar durante as gravações de seu primeiro clipe “Open Bar”.(Foto: Reprodução/Google).

O videoclipe da canção foi gravado na casa de um amigo de Pabllo com um orçamento total de 600 reais, e atingiu a marca de um milhão de visualizações em menos de quatro meses no Youtube.

No final de 2015, Vittar lançou o EP “Open Bar”, além da faixa-título o EP traz mais quatro faixas, também releituras de canções em português de artistas como Beyoncé e Rihanna.

“Open Bar Tour” e participação na Globo

Com exceção da música “Open Bar”, autorizada por Diplo, um dos produtores da canção original, todas as canções do EP e seu videoclipes foram retirados das plataformas de streamings por questões de direito autoral.

Logo após o lançamento do EP, Pabllo Vittar deu início à sua primeira turnê de shows, Open Bar Tour, que se prolongou por 2016 e teve 120 apresentações.

A drag queen chamou a atenção dos produtores do programa Amor & Sexo, da Rede Globo, que o convidaram para integrar a banda do programa em 2016, se mantendo no elenco durante a nona e décima temporadas. Deixou o programa para se dedicar a seus projetos musicais.

Lançamento do 1° álbum de Pabllo Vittar

No início de 2017, Pabllo Vittar lançou seu álbum de estreia “Vai Passar Mal”, trazendo elementos da música pop, eletrônica, forró, funk carioca, tecnomelody e arrocha. O single “Nêga” foi lançado como faixa-título, seguida por “Todo Dia” com o rapper Rico Dalasam.

O hit “Todo Dia” ganhou notoriedade durante o Carnaval daquele ano, o que levou Vittar a se apresentar no Carnaval de Salvador. Seis meses após o lançamento, a canção e seu videoclipe foram retirados das plataformas digitais devido a uma notificação extrajudicial de Dalasam para questionar acordo de direitos autorais.

Os singles “K.O” e “Corpo Sensual” do álbum, alcançaram o top 70 da parada Hot 100 Airplay, da Billboard Brasil, e tiveram sucesso nas plataformas de streaming; “K.O.” atingiu o topo do ranking do Deezer e “Corpo Sensual” atingiu a tabela do Spotify no Brasil.

Vittar inicia sua segunda tour nacional

Em janeiro de 2018, o videoclipe das faixas “K.O” e “Corpo Sensual” havia ultrapassado a marca de 200 milhões de visualizações no YouTube. As canções “Então Vai” e “Indestrutível” também foram lançadas como singles de Vai Passar Mal.

O figurino usado por Pabllo Vittar no videoclipe de “Indestrutível” foi leiloado com o intuito de arrecadar fundos para a Casa 1, projeto em São Paulo que acolhe pessoas LGBTQIA+ em situação de risco. Em fevereiro de 2017, Vittar deu início à sua segunda turnê “Vai Passar Mal Tour”.

Em maio do mesmo ano, a drag queen Lia Clark lançou um remix de sua canção “Tome Curtindo” colaboração com Vittar. Em junho ,Pabllo se juntou a outros artistas para lançar a canção “Filhos do Arco-Íris”, cujos lucros beneficiam as pesquisas da amfAR.

Rixa entre Pabllo Vittar e Anitta

Em julho, em uma colaboração com o grupo norte-americano Major Lazer, Pabllo Vittar e Anitta lançaram a canção “Sua Cara”, atingindo o número 49 no Hot 100 Airplay da Billboard Brasil, chegando ao top dez em Portugal e apareceu no top 30 de charts da Billboard norte-americana.

O videoclipe foi filmado na parte Marroquina do Deserto do Saara e se tornou um sucesso instantâneo. Na época de seu lançamento, ele foi o sexto videoclipe mais visto em suas primeiras 24 horas e também o mais rápido a atingir um milhão de likes no YouTube.

Pabllo Vittar, Anitta e Diplo durante as gravações do clipe em Marrocos.

Pabllo Vittar, Anitta e o DJ Diplo durante as gravações do clipe “Sua Cara”. (Foto: Reprodução/ Google).

Porém, como todo bom mundo da música, a cantora Anitta e a dar Pabllo tiveram alguns desentendimento durante a promoção do feat aqui no Brasil.

Segundo a própria cantora Anitta que se posicionou nas redes sociais sobre o ocorrido, na época do lançamento, teria ficado chocada com a ganância de Pabllo Vittar. Ela teria investido uma fortuna sozinha para o clipe de “Sua Cara”, e ao realizar uma festa no Rio para o lançamento do videoclipe, teria se surpreendido com o valor pedido por Pabllo no cachê do evento.

Após um tempo da briga, ambas cantoras voltaram a seguir em sua redes sociais e até anunciaram uma possível nova colaboração, porém após uma declaração de Pabllo Vittar no programa Altas Horas, muitos internautas sentiram se tratar de uma indireta para a cantora brasileira e sentem ainda haver uma certa rixa entre as duas.

Pabllo Vittar em primeiras colaborações internacionais

Em agosto de 2017, Vittar assinou um contrato de dois álbuns com a gravadora Sony Music e lançou uma colaboração com a cantora Preta Gil, nomeada “Decote”.

Em setembro, apresentou-se no palco Sunset da 7° edição do festival Rock in Rio, além de ter participado do show da cantora norte-americana Fergie no palco principal.

Em dezembro, Pabllo Vittar lançou Vai Passar Mal: Remixes, no repertório contém novas versões das canções de seu álbum de estreia.

No mesmo mês, a cantora britânica Charli XCX lançou a canção “I Got It” numa colaboração com Vittar, Brooke Candy e CupcakKe. A MTV Portugal citou Vittar como uma das principais “revelações musicais” de 2017.

Vittar lança seu 2° álbum e estreia turnê internacional

Pabllo Vittar teve um ótimo início de 2018, sendo convidado para participar de canções com Lucas Lucco, a drag queen Aretuza Lovi e Alice Caymmi. No mesmo mês lançou um documentário sobre sua vida e carreira em parceria com a Apple Music.

Em maio, estreou seu programa “Prazer, Pabllo Vittar no Multishow.”. Além de performances musicais, a atração também apresentou entrevistas feitas por Vittar durante um total de cinco episódios. O programa foi indicado ao Rose d’Or Awards e ao PromaxBDA Latin America Awards nas categorias Entretenimento e Promoção Entretenimento/Música/Variedade.

No mês de outubro, Vittar lançou seu segundo álbum de estúdio, intitulado “Não Para Não”. O álbum foi um sucesso comercial, ganhando o certificado com ouro pela Pro-Música Brasil (PMB) e batendo o recorde no Spotify Brasil quando todas as faixas do álbum se incluíram no top 50 das canções mais populares da plataforma, incluindo quatro no top dez.

O single “Problema Seu” foi lançada como faixa principal do álbum, seguida por “Disk Me”, “Seu Crime” e “Buzina”. Em novembro, Pabllo deu início à sua terceira turnê “Não Para Não Tour”.

Pabllo Vittar em show na Parada do Orgulho LGBTQIA+ americana.

Pabllo Vittar faz show na Parada do Orgulho LGBTQIA+ americana. (Foto: Reprodução/ Google).

A turnê teve apresentações em outros países da América Latina e também da Europa, como México e Inglaterra. Em junho de 2019, Vittar iniciou a sua quarta turnê “NPN Pride Tour”, uma extensão da sua terceira, com datas em paradas do orgulho LGBTQIA+ dos Estados Unidos e Canadá.

Pabllo Vittar é um marco na música nacional

Pabllo Vittar é considerado um ícone gay e já chegou a ser citado por jornais influentes como The New York Times, sendo um “emblema de fluidez de gênero”, enquanto o jornal The Guardian, comentou sobre seu posicionamento político, se referindo a drag queen como um “símbolo de resistência”, e pela revista de moda Vogue.

Vittar é frequentemente creditado por impulsionar a inclusão de artistas drag queen, trans e travestis no cenário da música popular do Brasil. Em março de 2018, a Billboard disse que “um coletivo de drag queens — com Vittar na vanguarda — está ajudando a mudar a aceitação da comunidade LGBTQIA+ no Brasil, usando música e performance como meio.[…]”.

Ainda em 2018, Pabllo se tornou a segunda celebridade mais buscada no Google Brasil. Vittar não só é o artista drag queen mais influente do mundo nas redes sociais como também figurou no ranking Social 50, da Billboard, onde atingiu a trigésima terceira colocação em outubro de 2017.

Apresentação para a Rainha Elizabeth II e último lançamento

Em 2019, a drag queen fez participações nos shows de Major Lazer e Sofi Tukker, no festival de música internacional Coachella. No mês de maio lançou o álbum “Não Para Não: Remixes”, que contém no repertório novas versões das músicas de seu segundo álbum.

Em junho, Pabllo Vittar foi convidado para participar dos singles “Garupa”, da cantora Luísa Sonza, e “Amarelo”, do rapper Emicida. Além de se apresentar na festa em homenagem ao aniversário da Rainha Elizabeth II do Reino Unido na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, cujo tema foi “igualdade e inclusão” em comemoração ao mês do orgulho LGBTQIA+ e em memória à Rebelião de Stonewall.

Pabllo Vittar durante sua visita à Nova York.

Pabllo Vittar durante sua visita à sede da ONU em Nova York.(Foto: Reprodução/ Google).

Ainda no início do ano de 2019, Vittar anunciou os preparativos para o lançamento de seu terceiro álbum de estúdio, nomeado “111”, em referência a sua data de nascimento, 1 de novembro.

O álbum foi dividido em duas partes, lançadas em datas diferentes. Uma colaboração com Charli XCX, “Flash Pose” foi lançada como primeiro single do projeto em julho de 2019. A parceria com o vocalista da banda Psirico, “Parabéns” foi lançada como segundo single do álbum em outubro. A primeira parte do álbum 111 foi lançada em formato de EP no dia 31 de outubro. O hit “Amor de Que” se tornou o terceiro single de 111 em dezembro.

As colaborações “Clima Quente”, com Jerry Smith, e “Tímida”, com Thalía, também completaram o lançamento de “111”. O álbum teve seu lançamento adiantado por conta do vazamento das canções na internet e foi liberado em 25 de março de 2020. O álbum “111” foi certificado com ouro pela PMB.

Related Articles

Deixe seu comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia Mais